1

Novo artigo na Revista Aprendizagem, nº27 / 2011.


Confira o novo artigo de Isabel Parolin para a revista Aprendizagem, nº27 / 2011.

A formação das novas gerações e a relação entre a família e a escola.

Pais, professores e diretores precisam entender a realidade dos jovens da atual geração para educá-los da melhor maneira possível. Conheça uma história que vai ajudá-lo a entender melhor essa ideia.

Estava em meu consultório, terminando minhas atividades e pronta para almoçar, numa fria manhã do mês de agosto, quando uma senhora me pediu para atendê-la em caráter de urgência. Estranhei o pedido, posto que eu não atendo sem hora marcada e não tenho urgências no atendimento psicopedagógico.
Diante da angústia e insistência dela e lendo o encaminhamento que a escola fez, consenti (deixando o meu
estômago de lado) em atendê-la em sua “urgência”. Ela estava acompanhada de uma jovem de 15 anos. Ambas expressavam no rosto o incômodo que as acometia. A jovem sequer olhava para a mãe e a mãe “bufava”, ao me contar o motivo pelo qual ela tinha me procurado. A orientadora da escola da filha tinha indicado meu nome, diante da situação que a mãe expôs à escola. Contou-me ela: “Preciso entender para poder me acalmar” (lágrimas)… “Estou arrasada com o que essa ali me aprontou”, apontando para a jovem que continuava não olhando para a mãe. “Ontem (domingo) foi o aniversário de 80 anos da mamãe. Eu planejei essa festa nos mínimos detalhes: arrumei acomodação para que meus parentes distantes pudessem
vir (alguns deles são mais velhos que a mamãe). Tenho uma irmã que mora nos EUA, que veio com o marido e os dois filhos (uma despesa enorme); um sobrinho que mora na Nova Zelândia veio (faltou a aulas que não poderia faltar); um tio, irmão da mamãe, (que está doente e é mais velho que ela) que mora no interior de Minas veio também; enfim, arrumei
as acomodações, os deslocamentos, o almoço num clube, fotógrafo, música, decoração, docinhos, lembrancinhas… tudo!
Foi uma trabalheira! O ponto alto da festa era a missa, pois somos muito religiosos. Compusemos uma paródia, homenageando a mamãe, para cantarmos na hora do ofertório. Bem, o que aconteceu? Na hora de sairmos para a missa, essa ali…”, e novamente apontou para a jovem que continuava de lado, sem olhar para a mãe, “… me apareceu com uma mini blusa e uma calça que ficava quase lá em baixo do ventre. Um horror! Disse a ela que o padre não a deixaria subir ao altar, para cantar a música, com aquela roupa, mas ela não aceitou, bateu o pé e foi com aquele traje, inadequado para uma missa e para o frio que fazia. Bem, não deu outra, o padre não permitiu que ela participasse e na foto que tiramos do coral cantando a paródia, ela não apareceu! Eu preciso que você a atenda, pois o episódio de ontem foi a gota d’água… Depois de tudo que eu fiz e trabalhei, ela não participou da hora mais importante das comemorações.
Nossa família é mineira e damos muito importância à missa, à família reunida, mais do que tudo… “ (e desandou
a chorar). Confesso que achei a história interessante e me toquei com a emoção da mãe. Fiquei pensando no que já tinha sido perdido naquela família!

A jovem permanecia de lado, dizendo corporalmente que não queria participar daquele momento… E percebi que ela
estava sofrendo também. Pedi para a mãe sair da sala e, à queima roupa, encarando-a, perguntei o que tinha acontecido.
Ela olhou-me como quem diz “você não ouviu?” e afirmou, rispidamente: “A mãe já te disse, foi aquilo que ela contou! Não
cantei a música e nem participei da missa. A foto eu vou resolver, pois eu sei colocar a minha cara no coral, mas o resto não vai dar…” Disse isso, já desarmada e parecendo arrependida.

Ao perceber que ela estava correspondendo a minha abordagem, continuei perguntando: “Você sabia que a roupa ia lhe
dar esse problema todo?” Ela me olhou e afirmou, mexendo-se inteirinha: “Claro que não! A mãe faz tanto drama, sempre, que eu achei que era exagero dela…” “Então, você não acreditou nela? Nunca vão à missa juntas?” – quis saber, já que a mãe afirmou serem bem religiosos. “Não! Nem com ela e nem com o pai. Aliás, nem imaginei que teria tanta gente… Eles sempre exageram tanto… Tudo é ruim, é perigoso…” “E a sua avó?” – perguntei, querendo entender melhor. “Adoro ela e estou chateada por causa dela. Ela é uma fofa, mas se não fosse o drama da mãe, ela nem teria percebido, pois tinha muita parentada… Com a vó já me entendi… Mas a mãe ter ido à escola e contado para a orientadora o que aconteceu, é demais! Nada a ver! Você não acha?” Acho, acho demais, mesmo! Essa história ilustra perfeitamente o tema que nos serve de título e pode ser o pano de fundo para compreendermos algumas situações que a família e a escola vivem ao educar as novas gerações.
A formação das novas gerações se pauta na dos pais, que oferecem os modelos e as orientações para que as crianças e
jovens tenham aporte para, a partir do que aprenderam em família, poderem desenvolver uma forma de viver tipicamente
sua. Vale dizer que, para se inserir na sociedade de forma harmoniosa e feliz, o sujeito carrega sua história familiar, os
valores, conceitos, crenças e conhecimentos que construiu em família, na pertença familiar, num jogo relacional com o que ele vive com seus pares. Na interação entre as aprendizagens construídas em família, o que aprende na escola e com seus amigos e comunidade, ele se constituirá uma pessoa.
Educar uma criança é, sobretudo, encaminhá-la, promovendo aprendizagens que geram desenvolvimento. Esse processo
educacional, que é um ato relacional e de envolvimento de ambas as partes, gera os instrumentos para o aprendiz entender o mundo e seu funcionamento, da mesma maneira como produz uma forma de interagir com o seu contexto. Mesmo pais ou educadores muito jovens, quando desenvolvem seus papéis parentais ou de ensinantes, sentirão estranheza em algumas formas de manifestação das crianças. O entendimento das diferentes situações e conceitos do contexto social está diretamente relacionado à maturidade e identidade desenvolvida, que repercute na compreensão do mundo a partir da experiência reflexiva das crianças e jovens diante de uma história que começou bem antes deles.
Tem uma tirinha da Mafalda que eu acho muito interessante. Para consolar e ajudar a Suzanita, que não compreendia seus pais, a Mafalda pergunta: “Quando você entra no cinema, na metade do filme, você compreende?” Ela afirma que não. “Pois bem, conosco é a mesma coisa… Quando nós nascemos, nossos pais já tinham começado!”
É isso, quando essa jovem nasceu, seus pais já eram “muito religiosos”, já viviam uma série de coisas que eles não passaram para a filha. Se a jovem tivesse participado mais da vida dos pais – que é sua família -, ela teria conseguido aquilatar a importância do momento e a delicadeza da situação. Se essa jovem vivesse e partilhasse de alguma forma as crenças de sua família, saberia que a igreja tem um ritual, não acharia os pais tão exagerados e confiaria mais neles.
Em outras palavras, a jovem não conhecia o começo do filme porque sua família não contou a ela, por isso tem dificuldade
para partilhar a construção da continuidade dessa história. A escola, diante do relato da mãe, encaminhou para um atendimento fora dela justificando que a aluna era adequada e que ela desempenhava a contento o papel de estudante. Isso nos sugere que a escola estava conseguindo relacionar-se, adequadamente, com ela.
Vale lembrar que a escola e a família são parceiras na construção do cidadão. Contudo, uma não faz o papel da outra – são parceiras. Esta geração será tanto melhor, quanto melhor forem seus educadores, quer sejam pais ou professores.
Ao darmos bons exemplos e bons encaminhamentos, construímos uma sociedade justa e boa para pessoas, igualmente
boas, e com instrumentos para serem felizes.

Baixe o Artigo completo

 

Um Comentário

Marilda Alves da Silva on 24/05/2014

Muito bom! tanto o texto, quanto a reflexão. Pequenos fatos ue se tornam grandes problemas, assim como percebemos em nossa sociedade.

Deixe um Comentário





Livro “A APRENDIZAGEM ENTRE A FAMÍLIA E A ESCOLA.”

Livro 15

Isabel Parolin

Psicopedagoga Clínica. Atende crianças e jovens em seus processos de aprender e as famílias dessas crianças, redimensionando as dinâmicas familiares. Consultora Institucional de Escolas públicas e privadas em vários estados brasileiros, promovendo qualificação dos educadores, quer sejam os professores, orientadores ou os pais dos alunos.

Entre em Contato!

Isabel Parolin
R. Fernando Amaro, 431
Alto da XV • Curitiba • PR
Telefone: +55 41 3264 8061
assessoria@isabelparolin.com.br