Artigo publicado no Colóqui Luso-brasileiro em Portugal-Porto/2010

A INCLUSÃO ESCOLAR EM FOCO
Nossas crianças não podem mais esperar!

Resumo
A comunidade educacional tem sido excludente à medida que prioriza
determinadas formas de aprender e de ensinar, quando determina critérios de avaliação
que são para todos e quando propõem um tempo de aprender com o rigor e o compasso
que muitos aprendizes não podem acompanhar. Apesar de tudo que se tem estudado,
produzido e avançado em educação, ainda no Brasil, as escolas e seus profissionais,
vivem um discurso distanciado da prática. As escolas têm se colocado como o modelo a
ser seguido, ou seja, o aluno é que deve correr atrás do que a escola propõe e exige,
conduta que contradiz os avanços conquistados. O entendimento de que o professor é o
responsável e o que media as relações entre o aprendiz e o conhecimento é o
pensamento que bordeja todo esse artigo. Propõe-se uma forma de instrumentalizar o
professor para diminuir o distanciamento entre o que se pensa e o que se faz em sala de
aula. Entende-se a Inclusão Escolar como um processo de observação das necessidades
específicas e da forma de aprender de cada aluno, precedida de uma ação direcionada ao
atendimento das especificidades constatadas. A adaptação curricular e o planejamento
específico são a conseqüência desejada desse movimento integrador entre o que foi
observado e o que se pretende promover de oportunidades educativas. Espera-se
também que, posteriormente, sejam deflagrados os procedimentos avaliativos que
possam indicar se houve, efetivamente, avanços e aprendizagens, ou se outros
procedimentos são necessários para que se conquiste êxito e se atinja índices de boa
qualidade na formação educacional do aprendiz.

Palavras chaves: Inclusão escolar, aprendizagem, adaptação curricular, qualidade de
ensino.

Disparando uma reflexão

A vida é complexa e sutil demais, as pessoas são diferentes demais, as
situações são variadas demais, frequentemente íntimas demais, para
que tudo caiba nos livros… Quem vive bem deve ser capaz de uma
justiça simpática, ou de uma compaixão justa. (SAVATER, 1996, p. 134)

Sabendo-se que no processo de aprendizagem é fundamental envolver-se, (e para
esse envolvimento ocorrer é necessário que haja intensa relação entre os pares), e,
igualmente, entendendo que os caminhos educacionais, nas instituições escolares,
deveriam percorrer esse balizamento, constata-se que o desconhecimento e a falta de
comprometimento tornam o tema inclusão escolar controverso, por ser, ainda,
procedimento não vivido, contrapondo-se a sua obrigatoriedade e a disposição de
produzir educação de boa qualidade.
O entendimento de aprendizagem como um processo em que o aprendiz e o
ensinante se constroem e se desenvolvem à medida que se relacionam entre si e com o
conhecimento, torna a inclusão escolar algo natural a acontecer no percurso da
escolarização. É uma atenção que o professor tem de dispensar a todos os seus alunos,
dentre tantas outras tarefas que fazem parte da prática educativa. Não se pode pensar na
ação educativa sem o jogo entre seres humanos em todas as suas dimensões e, sob esse
olhar, mediar processos de aprendizagem é sempre promover inclusão.
Todavia, os avanços teóricos promovidos na comunidade educativa, ainda não
conseguiram atingir um grande número de professores brasileiros, quer seja das escolas
públicas, quer das privadas. A busca de conceitos que possam agregar valor ao ato
educativo e à compreensão de aprendizagem como uma prática de envolvimento, ainda
por acontecer, e essa falha entre teoria e prática gera a urgência do entendimento de
aprendizagem como(…) a aprendizagem contempla processo, individual e coletivo,
conexões entre o que se sabe e o que não se sabe, história pessoal,
falta e desejo, comunicação, contexto, relações, instrumentos para
mudar o contexto, mudanças do sujeito; cérebro e funções,
instrumental do sujeito e um cuidador2, como a figura daquele que
está próximo para oportunizar novas conexões e a ampliação das
possibilidades de conhecer.3(GAE, 2009.)

Ao depositar um olhar investigativo sobre essa situação, encontra-se: um número
importante de posicionamentos sem o respaldo teórico necessário, impregnado de
4“achismos”, mitos e preconceitos que denunciam a ausência de formação e
conhecimento para a valorização dos direitos humanos; o desconhecimento do que seja
o papel social do professor e o compromisso que a escola tem diante da sociedade; além
de ignorar a legislação brasileira que garante educação para todos.
Para aprender, todas as pessoas precisam estar num contexto apropriado e
bordejado por mediações educativas competentes. O grupo de sala de aula só poderá ser
entendido dessa forma a partir do sentimento de pertença de cada elemento que compõe
esse espaço.

Em outra perspectiva, quando a inclusão escolar acontece, nem sempre esta
prática inclui verdadeiramente. Constata-se essa realidade a partir, não apenas do
depoimento de professores e pais, mas também pela observação do desempenho dos
alunos supostamente “incluídos”. Ilustro com o depoimento de 5A , uma aluna de 14
anos, da 6° série do ensino fundamental de uma escola pública, que diz para a
pesquisadora, quando estava em processo de juntar dados para escrever e organizar o
livro 6Nossas crianças não podem mais esperar:
“Agora eu estou aprendendo, bem mesmo, a ler. (…) Pena que as
professoras não tenham tempo de ensinar mais e faltem tanto… Eu já
estou quase lendo um livro inteiro. Pena mesmo! Às vezes não tem
professora nenhuma pra dar aula pra nós, na sala de recurso… Nós
ficamos esperando terminar a aula dos outros pra elas virem aqui…”
(sic)

Algumas práticas, ingênuas e desprovidas de conhecimento, mais excluem e
promovem apartheid social do que incluem, incentivando a discriminação. Relato
abaixo alguns depoimentos dados à pesquisadora, quando coletava material para
organizar o mesmo livro, referido acima.
”Nós somos da sala dos incluídos e o nosso recreio é separado

Quando eu tiver bom eu vô com os outros, mas ainda to ruim Eu sou
normal em quase tudo, menos na leitura que eu não sou, por isso eu
estou aqui, nessa sala…” (sic) (Aluno N. de 12 anos, cursando a 6°
série da Escola Pública)
“Não quero ser incluído! Odeio que saibam que eu não sei nada! O
pessoal comenta. Na minha sala tem dois incluídos que saem da sala
pra fazer prova e todos comentam. Prefiro morrer, mas não vou pra
inclusão!” (Aluno R. 10 anos, cursando a 3° da rede particular de
ensino)

O olhar investigativo

Por trabalhar em consultório e atender crianças e jovens em suas especificidades
de aprendizagem, e também nas secretarias municipais de Educação e instituições
privadas como consultora na área da Psicopedagogia, dando palestras para pais dessas
mesmas instituições, e ainda como professora em curso de pós-graduação e
pesquisadora na área da Aprendizagem e do Ensino, atentei para a situação educacional
apresentada nesse artigo. Ao cruzar os resultados do olhar empírico, do desempenho das
escolas anunciado por órgãos de avaliação governamental com os recortes que faço nas
pesquisas desenvolvidas pelo grupo de Pesquisa Aprendizagem e Ensino, da PUCPR,
financiada pela Fundação Araucária e CNPQ, constato a gravidade e urgência da
construção de pensamentos que direcionem ações mais competentes. O agrupamento e
síntese dessas informações, cujos depoimentos encontram-se ao longo desse trabalho,
resultaram em um livro que objetiva clarear, respaldar e encaminhar a urgência de
melhores ações.

Situações como as relatadas a seguir são freqüentes, tanto nas escolas públicas,
quanto nas privadas:
“Olha só a nossa situação: a aluna veio com um laudo de um
neurologista pedindo inclusão e dizendo que por lei ela não pode ser
reprovada; a aluna nem ai pros estudos, ela não participa, não faz,
não copia; a família só exige e aponta pro laudo e pra legislação e
nós teremos de aprová-la? Como fica a escola diante disso tudo? O
que eu digo para os professores? E para os colegas dela?”
(Orientadora Educacional da Escola Particular A).

“Sem o laudo de um neurologista não dá…Senão vira uma festa. É
um tal de profissionais invadirem a escola, pedindo de tudo, dando
toda a espécie de laudos e encaminhamentos. A escola vira a casa da
sogra se a gente não se alertar… São poucas as crianças que
aparecem com profissionais sérios, que ajudam a escola a
redirecionar as aprendizagens. E são poucas as famílias que
entendem o que seja aprender, de verdade e passar de ano,
simplesmente”. (Orientadora Educacional da Escola Particular B).
“Apesar de tudo, nós não conseguimos atender essa demanda enorme
de incluídos na nossa secretaria Não temos profissionais suficientes e
qualificados, além dos professores ficarem de bico atravessado com a
inclusão.” (diretora de ensino da secretaria municipal de uma cidade
do interior Brasileira)

“Nós recebemos um pacote já feito e embrulhado pra gente desatar os
nós! Inclusão não é isso! Não fomos preparados pra trabalhar dessa
forma. Precisamos de ajuda e de mais apoio. O pessoal só manda os
alunos com necessidades especiais e pronto! A gente que se vire!”
(manifestação diante da platéia, da professora X, da rede pública, num
evento em que o tema era Inclusão)

Ao trabalhar com escolas que têm se esforçado para construir o pensamento
inclusivo, observam-se, com mais frequência, as seguintes dificuldades:
• Fomentar o pensamento inclusivo em toda a instituição e junto aos familiares e
comunidade escolar. Não raro, alguns pais se manifestam contra os
procedimentos de inclusão de outros alunos, imaginando que seus filhos serão
prejudicados com essa parceria;
• Construir procedimentos que atendam ao fluxo da sala de aula, ao mesmo tempo
em que atendam as necessidades individuais dos alunos com necessidades
especiais;
• Respaldar esses encaminhamentos em documentos que regulem, organizem e
potencializem a escola. Não raro, documentos emitidos por profissionais da
saúde ou de áreas correlatas atravessam os encaminhamentos escolares,
desautorizando-a a proceder como escola.
Contudo, é importante ressaltar que, se por um lado temos leis assegurando que os
alunos sejam justamente atendidos, por outro, são os professores que farão valer e
acontecer esse direito. São os professores que saberão o que fazer, quando fazer e como
fazer a inclusão escolar. Diante dessa constatação, fica evidente a necessidade de maior
aproximação entre teoria e prática, entre quem teoriza e quem pratica, entre o professor
e os profissionais de apoio.
Portanto, o movimento em prol da inclusão escolar tem de ser na direção de apoiar o
professor, instrumentalizá-lo e propor-lhe parcerias, bem como potencializar a escola
enquanto instituição de ensino que tem a autoridade para encaminhar e direcionar os
processos de aprendizagem de cada aluno. Esse movimento parece ser o que garantirá
7equidade e práxis mais competentes diante da necessidade de procedimentos
inclusivos. Ainda que se possa pensar como óbvios esses encaminhamentos, tem-se
encontrado práticas inclusivas que são impostas ao professor, não são planejadas por ele
e ainda, sequer, tem objetivos que a encaminhem.

Problematizando

Apesar dos quinze anos de 8“Salamanca” e de todas as medidas políticas
geradas a partir desse marcante evento, um significativo número de professores
brasileiros, principalmente da escola fundamental, ainda não estão conseguindo
atender, de forma adequada e com qualidade, as crianças que tem alguma necessidade
educacional especial. Esses professores dizem estarem despreparados para bem
desenvolver o trabalho educativo necessário ao desenvolvimento do aprendiz e à
promoção de justiça social. Justificam, ainda, que necessitam de conhecimentos que não
estiveram disponíveis em sua formação profissional.

Apesar da legislação brasileira, na Lei de Diretrizes e Bases (Lei 9394/96), em
seu artigo 2° que reza: “A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos
princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o
pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua
qualificação para o trabalho”, muitas crianças chegam, ainda, à quinta série sem saber
ler e escrever e sem ter os instrumentos necessários para o pleno exercício da cidadania,
porque ficam excluídos da sociedade por uma prática educacional que não viabiliza
oportunidades de qualificação para desenvolver um trabalho decorrente de inclusão
social. Ainda a mesma LDB em seu artigo 59, diz que: “Art. 59. Os sistemas de ensino

assegurarão aos educandos com necessidades especiais: I – currículos, métodos,
técnicas, recursos educativos e organização,específicos, para atender às suas
necessidades;
Apesar, ainda, de todos os segmentos da comunidade educativa estar alertados
para a realidade aqui apontada, não se conseguiu, por hora, bons parâmetros, ou ainda,
encaminhamentos que ajudem os profissionais da educação a bem conduzir as situações
de necessidades educacionais específicas ou diferenciadas. Práticas que geram
sofrimento e frustração tanto para os professores, quanto para o aluno e seus familiares,
repercutem em descrédito social. Os bons exemplos a que se tem acesso ainda são
isolados e de abrangência menor do que a desejada, em números e em qualidade.
Bastaria que as escolas começassem o trabalho inclusivo entendendo que essas
crianças são “nossas” e que elas não podem mais esperar! Não podem mais esperar que
consigamos deflagrar um gesto humanitário, um movimento ético diante da tarefa de
ensinar e, sobretudo, um esforço para vencer os mitos que impedem ou dificultam as
práticas em sala de aula. Ter a inclusão escolar como foco, entendendo que um grande
número de crianças terá dificuldades com o ensino que lhes está sendo proposto e que
aparece, em última instância, erroneamente, como dificuldade de aprendizagem.
Portanto, práticas inclusivas são correções necessárias à justiça social.
Os mitos que impedem ou dificultam
Não raro, ouvir-se-á, como desculpa ou como resposta, frases que preenchem o
vazio deixado pelo desconhecimento. Compartilho abaixo alguns mitos que foram
relatados à pesquisadora, por professores e pais, na busca de explicar ou justificar as
dificuldades encontradas por eles para concretizar os processos inclusivos:
“Não estou preparada para trabalhar com pessoas diferentes!” (professores) A
escola sempre trabalhou, ou melhor, sempre teve contato com os diferentes e com as
diferenças. Uma sala de aula é uma reunião de desiguais que se unem numa mesma
proposta – aprender! Acontece que em tempos passados, ignorava-se o aluno que não
correspondia às expectativas da professora e ele era eliminado ao longo do percurso de
escolarização. Diante de tantos recursos que hoje o professor tem, é injustificável um
profissional não buscar melhorar qualitativamente a sua formação. Sobretudo, num
mundo tão diverso! Nunca se está pronto, o aperfeiçoamento se dá à medida que surgem
as situações. Alegar que não se está preparado para trabalhar com determinada criança
não justifica não buscar esse preparo. Se cada um é único em suas diferenças, nunca
estar-se-á preparado, mas sempre em estado de formação contínua. O reconhecimento
do não saber é um caminho importante para se procurar saber.
“Tenho de seguir o currículo da escola. Não posso fazer nada diferente.”
(professores) Cada escola tem autonomia para fazer a flexibilização do currículo aos
alunos especiais e proceder como bem convier. O que se espera é que cada criança tenha
um processo em que conste: o histórico do aluno; um relato do que já foi feito e
desenvolvido com ele; a flexibilização do currículo: planejamentos e conteúdos
propostos, disciplinas que serão priorizadas, agenda do aluno; avaliação do processo.
9“Pau que nasce torto, morre torto”. (pais e professores) Ainda existe um
número importante de pessoas que não acreditam em mudanças e desconhecem o que
seja aprender. Cabe ressaltar que essa crença ocupa o lugar do conhecimento. Ignoram
que, ao aprender, o sujeito se renova e modifica suas estruturas e estratégias mentais. A
sala de aula é espaço precioso para a vivência dos diferentes, em diferentes papéis que
tornará o aluno um membro do grupo. O professor, nessa perspectiva, é o mediador
indispensável para que os alunos aprendam a assumir responsabilidades, respeitar regras
e administrar conflitos. Essa convivência é ferramenta educativa preciosa para
constituição do “eu” e para desenvolver adequadas habilidades relacionais.
“O neurologista é quem traça o “laudo e o laudo é que determina se haverá ou
não inclusão.” (professores e coordenadores) Um laudo faz parte do processo
avaliativo, mas não determina esse processo. A avaliação de um aprendiz deve ser
composta por diferentes laudos e, após a reunião e análise desses documentos, um dos
profissionais traça a avaliação e o prognóstico. A prática interdisciplinar é a ideal nesses
casos: um grupo de profissionais decide os melhores encaminhamentos para
determinada criança. Sem dúvida, o neurologista deve fazer parte desse grupo; a
professora, porém, é indispensável, assim como a participação da família. Porem, e se
não existir a possibilidade de um neurologista diagnosticar o aluno? Nada se fará para
tendê-lo em suas diferenças?

“Se não tiver um diagnóstico não podemos trabalhar.” (professores e
coordenadores escolares) É verdade que uma avaliação, que demonstre um bom
diagnóstico, acompanhado de um plano de ação, fundamentado em princípios
educativos facilita, e muito, o trabalho da escola. Mas o que fazer quando a cidade é
pequena e não dispõem de recursos? Que fazer se a família não pode colaborar? Nossas
crianças não podem ficar esperando, pois o tempo é precioso para quem constrói seu
futuro. Se não pudermos trabalhar dentro do ideal, devemos fazer o que conseguimos
fazer. A Sandra Bozza (2010) nos alerta: “

Quando não se sabe claramente o que fazer e não se pode deixar de
fazer algo, muitas vezes, o maior equívoco é se fazer de conta que
algo foi feito. E essa é justamente a pior escolha, pois mais grave do
que ser excluído é consolidar a dolorosa ilusão de que se é incluído.
“Convivendo com crianças com problemas, meu filho pode ficar com problemas
também, ou desenvolver-se mais lentamente.” (pais) Os pais desconhecem a
importância da relação com o outro, diferente em sua forma de ser, para a formação do
eu. As influências recíprocas que o espaço escolar promove, além de repercutir em
desenvolvimento, que em última instância é aprendizagem, promovem a constituição da
pessoa como um eu, por ela própria reconhecida. Wallon trata dessa questão em sua
obra, e destaco um trecho de Bastos e Dér (2008, p. 46) : “O eu e o outro se constituem,
então, simultaneamente, a partir de um processo gradual de diferenciação, oposição e
complementaridade recíprocas. Compreendidos como um par antagônico,
complementam-se pela própria oposição”

É palpável o despreparo dos professores diante da tarefa de mediar
aprendizagens, principalmente quando a criança se diferencia, em sua forma de
aprender, do estilo de aprendizagem da professora, ou ainda, se ela tem alguma
necessidade especial. Mitos e crenças que surgem do passado acabam habitando o dia a
dia da escola, tomam o espaço de novos conhecimentos e de outras estratégias que,
certamente, iluminariam de forma mais eficaz o cotidiano escolar.

Prejuízo e oportunidade

Para redirecionar a situação de desencontro, neste artigo denunciado, propõe-se
trabalhar com o professor, com a família e com os profissionais de apoio, se houver.
Fazer o levantamento do prejuízo que o aprendiz está tendo e quais as redes de
oportunidades que estão disponíveis para que eles aprendam. Propõe-se que o grupo
responda, em conjunto:
• Qual o maior prejuízo da criança?
A resposta deve levar à análise do que está acontecendo com esse aluno. É
essencial fazer o levantamento da história evolutiva dele, das áreas do desenvolvimento
que estão carentes, e, igualmente saber o que ele precisa dominar para a série que cursa.
O que tem trazido maior prejuízo ao seu desenvolvimento? O que é mais urgente? A
partir dessas respostas, é necessário deflagrar ações educativas direcionadas ao que foi
priorizado. Dessa forma, o grupo vai trabalhando, passo a passo, direcionando as
prioridades e as aprendizagens. Não adianta continuar com o programa de história se o
aluno ainda não consegue ler textos complexos. Não adianta ficar reclamando que o
aluno não presta atenção sem orientá-lo à habilidade atencional.
• Que rede de oportunidades ela necessita?
A partir do entendimento do prejuízo que o aluno esta tendo, o grupo de professores
traçará quais redes de oportunidades é possível oferecer. Esses encaminhamentos
dependerão dos recursos que a cidade oferece, do que a escola consegue articular, do
compromisso do professor com sua profissão e com o aluno, da situação sócioeconômica
da família. A proposta é que se disponibilize um grupo de ações educativas
que represente real oportunidade de aprendizagem e de inserção ao grupo do qual ele
faz parte. Inclusão não é reunir, simplesmente. É viabilizar oportunidades para que os
alunos se envolvam entre si e com os conhecimentos. Desenvolver-se é ser capaz de
viver e conviver, em diferentes situações sócio-emocionais, com a complexidade que a
situação exige, ou seja, é estar instrumentalizado para a adequada inserção social.

O currículo inclusivo:

Quando se fala em currículo inclusivo, abre-se um campo muito amplo cuja
forma e enquadramento dependerá de cada escola, de cada professor e do aluno em
foco, a partir das necessidades e rede de oportunidades que apareçam no percurso do
trabalho de adaptação curricular. Esses encaminhamentos foram tratados em “mitos que
impedem ou dificultam”, no item: “Tenho de seguir o currículo da escola. Não posso
fazer nada diferente.”( Vide p. 8 )

Depositando um olhar investigativo sobre esses currículos, constata-se que em
nada se relacionam à prática do professor em sala de aula. Ao mesmo tempo em que
eles se defendem, culpando sua formação e o sistema em que estão inseridos,
demonstram desconhecer a estrutura curricular da sua instituição (vide p. 8). Ou seja, a
desculpa usada pela comunidade escolar que o currículo da escola não pode ser
adaptado não se confirma quando os professores afirmam não conhecer o currículo da
escola, segundo se constata ao questioná-los pedindo informações sobre o mesmo.
Sendo assim, propõe-se um trabalho de adaptação curricular produzido pelo
professor regente para o seu aluno com necessidade educativa especial. Poder-se-ia
pensar que essa estratégia é outra obviedade, contudo, volto a afirmar, encontram-se,
com facilidade, comunidades inteiras que desconhecem essa possibilidade como
oportunidade a ser praticada.

Espera-se, também que sejam reformulados os currículos que se destinam a
formar professores para que eles sintam-se mais seguros para o enfrentamento de
situações para as quais nunca se está plenamente preparado. É preciso ter em vista que
cada aprendiz traz consigo um conjunto de situações, de experiências, de
conhecimentos, de possibilidades e de limites que só se conhece no cotidiano, na
partilha do dia-a-dia escolar.

Entretanto, o deflagrar de uma formação mais humanitária, voltada ao sujeitoprofessor
e que atenda com mais eficácia as necessidades e demandas do dia-a-dia da
sala de aula, é tão urgente quanto a situação neste artigo pontuada. Oportunizar, quer
seja na formação profissional, ou nos cursos de formação continuada, a aproximação
entre teoria e prática, entre o que se pensa e o que se faz é demanda importante para a
mudança desse cenário. Larrossa (2007. p.135) nos propõe uma reflexão necessária

A idéia clássica de formação tem duas faces.. Por um lado, formar
significa dar forma e desenvolver um conjunto de disposições
preexistentes. Por outro lado, significa levar o homem à comformidade
em relação ao modelo ideal que foi fixado e assegurado de
antemão. Minha aposta seria pensar a formação sem ter uma idéia
prescrita de seu desenvolvimento nem um modelo normativo de sua
realização.

Entende-se que qualidade na educação pode ser alcançada não apenas no bom
gesto que encaminha, e na boa intenção que ilumina, mas na práxis que se constrói entre
a experiência e o conhecimento, entre a possibilidade e o sonho, entre o ideal e o
idealizado. A prof. Rios (2005, p.24) ilumina, de forma poética e contundente: “O
mundo é do tamanho do conhecimento que temos dele. Alargar o conhecimento, para
fazer o mundo crescer, e apurar seu sabor, é tarefa dos seres humanos. É tarefa, por
excelência, de educadores”

Enfim, a equidade

A Inclusão escolar é práxis que suscita a necessidade de conhecimento, de
estudo e de pesquisas. É tema que transita entre mitos, preconceitos e formação pessoal
e profissional, mas que está bordejada de humanidade, empatia, bom senso,
solidariedade e do desejo de promover justiça social.
Entende-se que a equidade deva ser o lócus das ações inclusivas, em seu
conceito clássico que é “O apelo à justiça enquanto voltado à correção da lei em que se
exprime a justiça. Tal qual foi esclarecido por Aristóteles:” A própria natureza da
equidade é a retificação da lei onde esta se revela insuficiente pelo seu caráter
universal “” (ABBAGNANO.1982, p.321) Ainda, apontando para a mesma direção,
encontra-se na Constituição Brasileira o direcionamento inquestionável:
A Constituição Federal Brasileira de 1988 adotou o princípio
da igualdade de direitos (…) ou seja todo cidadão tem o direito de
tratamento idêntico pela lei (…) o que se veda, são as diferenciações
arbitrárias, as discriminações absurdas, pois, o tratamento desigual dos
casos desiguais, na medida em que se desigualam, é exigência
tradicional do próprio conceito de Justiça. (PAOLIELLO, 2003)
É urgente que a comunidade educacional se pergunte e reflita: qual é o papel da
escola? Qual é sua tarefa social? Qual a sua autoridade? Quem é o professor nesse
cenário? Qual é a repercussão social do trabalho do professor?
A inclusão escolar tornou-se resposta necessária, apesar de incomodar a
comunidade educacional. Há perguntas que não foram respondidas em forma de boas
ações, ou pior, que foram respondidas de forma ingênua, sem o suporte fundamental do
conhecimento. Pedro Demo (2002, p. 58) afirma com muita precisão que “Professor
não é quem dá aula, mas quem sabe fazer o aluno aprender.”

Quem poderá impedir um professor, bem formado, de ensinar ao seu aluno, quer
ele tenha ou não uma dificuldade, ou ainda, um “laudo”?
Cada um de nós é uma pergunta que necessita de situações de vida e de
aprendizagens para gerar respostas, e produzimos muitas respostas diferentes, posto que
somos múltiplos. Trabalhar com essas diferentes formas de aprender, de viver e
conviver é tarefa do professor. Por isso, é preciso começar. O Morin (2005, p.101) nos
encaminha para uma reflexão encorajadora:

É preciso saber começar e o começo só pode ser desviante e marginal.
(…) Como sempre, a iniciativa só pode partir de uma minoria, a
princípio incompreendida, às vezes perseguida. Depois a idéia é
disseminada e, quando se difunde, torna-se uma força atuante.
(MORIN, p.101)

Nossas crianças não podem mais esperar! É preciso começar! Muitas
comunidades escolares já começaram e com sucesso. Contudo, ainda é pouco e em
ritmo muito lento, dolorosamente lento. Ilustro com o discurso de uma mãe e de uma
diretora de ensino, ambos proferidos seqüenciados, em um mesmo congresso de
educação, numa capital do norte do Brasil. Primeiramente a mãe levantou-se e falou
para a palestrante e para a platéia presente:

Não sou professora, sou engenheira. Vim ao congresso em busca de
respaldo, para pensar o que farei com minha filha. Ela tem 9 anos e
já trocou de escola três vezes. As escolas não a querem como aluna,
pois ela tem dificuldades para aprender a ler. Desesperada, passei a
estudar sobre educação para pensar e criar um futuro para ela.
Aprendi a construir pontes e estradas, mas não consigo construir um
caminho que direcione minha filha a um futuro promissor, ou no
mínimo, um futuro digno! Onde está esse futuro? Você o vislumbra?

Aponte para mim!

Logo após, parecendo incomodada, coordenadora manifestou-se,
compartilhando com o público presente:
Sou coordenadora de um departamento de Inclusão. Faz
quatro anos que a nossa secretaria estuda e trabalha com os
professores o tema inclusão. Promovemos inclusão na nossa cidade.
Apesar dos nossos esforços, ainda estamos iniciando a caminhada.
Há muita resistência, tudo fica muito 10imperrado. Que fazer a não
ser insistir, continuar lutando! Precisamos da ajuda da comunidade
10 Expressão regional que quer dizer travado, imobilizado.
para vencer essa batalha! A escola sozinha não conseguirá, pois há
muito preconceito no meio disso tudo.
Diante do silêncio que se fez na platéia, lembrei da pediatra, Dra. Zilda Arns,
criadora da Pastoral da Criança no Brasil, quando disse, minutos antes de morrer, no
Haiti, durante o trágico terremoto de janeiro de 2010: 11”Crianças bem cuidadas são
como sementes de paz!”

Temos a esperança de contagiar a comunidade educativa para a urgência desse
plantio, contudo não temos a ingenuidade para crer que alcançaremos, de todo e de
imediato, os objetivos almejados. Mas é preciso acreditar, começar e trabalhar com uma
disposição íntima para promover uma justiça natural.
Transponho para a educação a lição da Dra. Arns: Uma criança bem educada é
semente de paz!

 

2 O termo cuidador está sendo utilizado, neste texto, em consonância com o conceito trazido por
Leonardo Boff (1999) que fala do cuidado como uma atitude de atenção para com o outro e de
preocupação e inquietação porque a pessoa que tem cuidado se sente envolvida e afetivamente ligada ao
outro.

3 Conceito elaborado pela pesquisa Aprendizagem e Conhecimento na ação Educativa da PUCPR
coordenado pela professora Doutora Evelise Portilho.

4 Opinião pessoal.


5 Reservo o nome da aluna e a instituição para proteger a identidade da comunidade escolar.

6 PAROLIN, Isabel. Org. Nossas crianças não podem mais esperar: A inclusão em foco. São Jose dos
campos: Pulso, 2010.

7 Equidade: disposição para respeitar os direitos de cada um. Uma disposição íntima de promover uma
justiça natural. (segundo o Pequeno dicionário enciclopédico Koogan Larousse, , 1987, p. 320)

8 Documento redigido, denominado Declaração de Salamanca, sobre princípios, políticas e práticas na
área das necessidades Educativas especiais, aprovado em 10/06/1994, Espanha.

9 Ditado popular Brasileiro.

English Version

SCHOOL INCLUSION IN FOCUS
Our children cannot wait any longer!
Abstract
The educational community has been restrictive and excluding as it prioritizes definite
forms of learning and teaching, while it determines the same evaluation criteria applied
to all learners, and when it proposes a certain amount of time for learning to take place
with such rigor and pace many learners cannot keep up. Despite everything that has
been studied, produced and advanced in education, in Brazil one can still find schools
and professionals living a discourse distanced from their praxis. Schools have placed
themselves as models to be followed, which implies that the student is the one who
must run after what the school offers and requires, a conduct that contradicts the
achievements in the field.
What borders this entire article is the understanding that teachers are the responsible
ones, the ones to mediate the relationship between the learner and the knowledge to be
learned. So, a form of providing teachers with tools to reduce the gap between what
they think and what they actually do in the classroom is proposed in this article. Here,
School Inclusion is understood as a process of observing each child’s specific needs and
ways of learning, followed by actions aimed at meeting the features found. Curriculum
adaptation and specific planning are the desired consequence for the integrating
movement between what has been observed and the educational opportunities intended
11 Marília Pera,conhecida atriz brasileira, interpretando o discurso proferido pela Dra. Zilda Arns,
apresentado no jornal Nacional do dia 17/01/2010, programa da rede Globo de televisão brasileira.
to be achieved. Subsequently, evaluative procedures are also expected to be triggered,
so that they may indicate whether progress and learning have, effectively, taken place,
or whether some other procedures need to be developed in order to achieve success as
well as the quality of education desired rate in the learner’s formation.
Keywords: School inclusion, learning, curriculum adaptation, quality of teaching

Bibliografia:

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Mestre Jou, 1982. 2° Ed.
BOZZA, Sandra. Quarta-capa do livro Nossas crianças não podem mais esperar! A
inclusão escolar em foco. São José dos Campos: Pulso, 2010.
BASTOS, Alice, DÉR, Leila. Estágio do Personalismo, in: MAHONEY, Abigail. at
all.(org) Henri Wallon – Psicologia e Educação. São Paulo: Loyola, 2008
LARROSA, Jorge. Literatura, experiência e formação. In:COSTA, Marisa org.
Caminhos investigativos 1. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007. 3° edição.
MORIN, Edgar. A cabeça bem- feita. Repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio
de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
PAOLIELLO, Patrícia Brandão. O princípio da capacidade contributiva. Jus
Navigandi, Teresina, ano 7, n. 66, jun. 2003. Disponível em:
. Acesso em: 07 maio 2010.
RIOS, Terezinha. Compreender e Ensinar – Por uma docência da melhor qualidade.
São Paulo: Cortez, 2005
SAVATER, Fernando. Ética para meu filho. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
Baixe o arquivo (pdf)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.