+1

NÃO ADIANTA, EU NÃO VOU CONSEGUIR!

Se observarmos crianças brincando livremente, veremos que elas correm, que gostam de atacar, de pega-pega, algumas se arriscam nos balanços ficando em pé, outras sobem nos bancos, pulam de lugares altos, outras se jogam no chão, pulam de um sofá a outro, enfim. Nós educadores precisamos saber que uma criança quando brinca está aprendendo a se autorregular, a controlar o quanto de estresse ela suporta, a enfrentar problemas, se percebem corporalmente, aprendem a avaliar as situações e as possibilidades de risco, de fracasso e de sucesso.

Uma criança de 3 anos saiu correndo atrás de outra, um pouco mais velha. No caminho, tinha uma grande poça de água, pois havia chovido. A primeira criança pulou e prosseguiu. O menino de 3 anos caiu em cheio, no meio da poça de água. Chorando, veio pedir consolo para a professora. Como era bem preparada, a professora o acalmou, assegurando que o fato ocorrido poderia ser administrado sem dificuldades. E logo perguntou se ele tinha se machucado, o que tinha acontecido e o que ele sentiu. E por último, perguntou a ele, o que poderia ser feito em outra situação semelhante, para que ele conseguisse pular sem cair.

A capacidade de manejar emoções, a possibilidade de dar a volta por cima, de enfrentar o desconhecido, de retomar, de suportar o fracasso, de bem viver o sucesso, passa pela possibilidade de experimentar situações que demonstrem à criança que ela é capaz, ou não. Ao se dar mal em uma situação, ela aprende o seu limite, ao se dar bem ela percebe suas possibilidades.
Claro que é fundamental que as crianças tenham educadores que ofereçam espaços educativos propícios e as reflexões necessárias para que as aprendizagens aconteçam.

“A minha mãe demora pra me pegar na escola. Está sempre atrasada, é uma chatice. Estou muito brabo com ela.” Afirma M. de apenas 5 anos. O que M. não sabe é que a mãe enfrenta um enorme trânsito, sai correndo do trabalho e ainda, tem de voltar para o expediente da tarde. Para agravar a situação, a mãe ao invés de contar essa história para o filho, pede desculpas …

Quando a criança é superprotegida, quando os pais não são francos, pontuando o que é bom e o que é ruim, elas acabam não se percebendo como pertencentes àquela rotina e desconhecendo o funcionamento do mundo ao seu redor. Ao serem atendidas na totalidade de seus desejos, ignorando os esforços de quem os atende, acabam construindo uma noção errônea sobre si mesmo e seu potencial resolutivo. Como não estão acostumadas a realizar, são apenas as que ordenam ou pedem, acham que as coisas acontecem de modo instantâneo, quase mágico, ou ainda, facilmente. Isolados em seu mundo de prazeres, ignoram o trabalho como fonte de desenvolvimento, de aprendizagens e de prazer. Destituídos da possibilidade de viver um processo, tornam-se frágeis e incertos interpretes da realidade.

Um pai me procurou e pediu: “Explique pra ela que, se ela pediu a bicicleta, ela tem de aprender a andar. Ela faz escândalos e afirma que não consegue pedalar, que vai cair. Se as outras crianças aprendem, por que ela não aprende?” Perguntei à criança se ela já tentou andar e ela me respondeu que sim. O pai afirmou que apenas duas vezes e já desistiu. “Mas você precisa tentar, observar o que acontece com teu corpo, com a bicicleta, para descobrir como se equilibrar nela.” Afirmei. Ela retrucou, autoritária: “Eu já fiz tudo isso e não deu certo! Não adianta, eu não consigo.” O pai, impotente diante do poder da filha, lamenta ter gasto tanto para nada e a história tende a terminar, se ninguém interferir. Por sorte, um tio se propôs a ensinar. Deu as garantias que a menina precisava, ensinou-a, encorajou-a com histórias de fracassos e de sucessos e ela, depois de várias tentativas, conseguiu!
Desacostumada a brincar, a arriscar-se, a perceber-se e a ter mediações educativas adequadas, a criança não se percebe, não presta atenção na especificidade da ação que ela objetiva, desconhecendo seus limites e as suas potencialidade, torna-se medrosa ou inconsequente.

“Eu faço cupcake em casa que é uma delícia, né mãe?” Disse-me G. de 4 anos. Pedi que ela me ensinasse. Ela olhou pra mãe e respondeu: “Explique pra ela.” Perguntei: “Mas você sabe fazer ou não sabe?” “Sei, mas só com ela junto…” A mãe piscou pra mim e afirmou que ela sabia fazer, sim.

O autoengano, além de confundir, passa uma mensagem errônea do que seja trabalho, processo, conquistas e aprendizagem. O desenvolvimento das competências sócio afetivas são as premissas para que uma pessoa torne-se resiliente, pressuposto para aprender.

Não podemos esquecer que educar é um verbo, que pede intencionalidade, compromisso, atenção e cuidado amoroso.

Psicopedagoga, palestrante, professora em cursos de pós graduação na área da Aprendizagem e autora de vários livros. www.isabelparolin.com.br

 

Seja o Primeiro a Comentar!

Deixe um Comentário





Livro “A APRENDIZAGEM ENTRE A FAMÍLIA E A ESCOLA.”

Livro 15

Isabel Parolin

Psicopedagoga Clínica. Atende crianças e jovens em seus processos de aprender e as famílias dessas crianças, redimensionando as dinâmicas familiares. Consultora Institucional de Escolas públicas e privadas em vários estados brasileiros, promovendo qualificação dos educadores, quer sejam os professores, orientadores ou os pais dos alunos.

Entre em Contato!

Isabel Parolin
R. Fernando Amaro, 431
Alto da XV • Curitiba • PR
Telefone: +55 41 3264 8061
assessoria@isabelparolin.com.br